Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013

Nós, os amantes do pânico!

 

Dois dias para o Natal, e eu na maior azafama para ter tudo, mas tudo controlado ao pormenor. A correria, que já há alguns dias, semanas, meses... se fazia sentir, estava agora ao rubro. Rumo ao Aki, vou comprar as minhas velas de baunilha, meto-me no carro, respiro fundo, e pronto:

 

- Finalmente, tenho tudo o que preciso!

 

De repente lá vêm os três “tombos” interiores da praxe e que tão bem conheço, seguindo-se o pensamento “não, não posso ir abaixo agora, não quando está toda gente a ver”. Lá começam as palpitações, o coração a sair pela boca, o que não melhora à medida que me vou aproximando do semáforo, que obviamente passa de imediato a vermelho.

 

- Ok Muriel! Já sabes o que isso é, respira fundo!

 

Lá o semáforo passa a verde e quase caí na tentação de virar logo no próximo cruzamento, mas mantenho-me fiel ao meu percurso, já com a língua dormente e visão turva, decido que parar é morrer e lá vou rumo a casa sem pestanejar...

 

E vou-me abaixo, completamente abaixo. Outro ataque de pânico! Para mim é sinal da minha fraqueza, da minha condição humana, mas é sinal sobretudo que já não estou a aguentar mais. E eu não quero que ninguém me veja assim, não quero que a minha vulnerabilidade se exteriorize. Sou forte e sou capaz, não sou frágil ou quebrável. Não sou fraca. Não sou fraca! Não posso ir-me abaixo. Simplesmente não posso...

 

E os meus dias seguintes são a agonia desse pensamento que me assalta sem parar. Os dias seguintes são pensados a tentar evitar a minha exposição aos meus receios. São planeados ao milímetro para garantir que tudo está controlado. E paro. Tenho de parar. Tenho de parar e reflectir sobre o que me leva a estar assim, e não sobre o resultado, sobre os sintomas.

 

Nós os amantes do pânico temos um grande problema. Fugimos dos medos e tentamos racionalizar os pensamentos errados, aqueles que deviam de ir para a gaveta e ficar lá fechados, porque são apenas pensamentos. São apenas pensamentos estúpidos e inúteis, que por muito que lhes demos a volta, não irão ter uma avaliação lógica. E para fugir dos medos, é preciso muita destreza, é preciso viver acelerado, preencher o dia inteiro, as horas, os minutos e os segundos. Não se pode parar!

 

Nós os amantes do pânico, apenas somos capazes de abrir os olhos, quando o corpo nos diz à sua maneira, que temos de abrandar. Mas depois de tanto correr, é difícil voltar a andar pacificamente. É que provavelmente o medo vai-nos apanhar e vamos ter de enfrentá-lo.

 

O medo vai apanhar-me e este é dos bem antigos, é bem grande e assustador. Faz-me sentir pequena ao seu lado, indefesa e desprotegida. Deixei-o crescer durante estes anos todos e agora parece impossível fazer frente, só um milagre o poderia deitar abaixo...

 

Mas não quero passar a minha vida a ser derrubada por ele. Não quero diminuir os meus dias, as minhas conquistas, as minhas alegrias na sua sombra. Não quero mais deixá-lo tomar conta da minha vida. Não quero mais deixá-lo vencer e apoderar-se da minha alma, pois temo que um dia não sobre mais nada dela se tal permitir.

 

Nós os amantes do pânico, temos a mania de odiar a nossa ansiedade e de culpá-la pela nossa realidade. Mas a verdade é que a ansiedade é parte de nós, que pode ser controlada. O pânico é resultado de fugir demasiado tempo ao que deve ser enfrentado. Não sei sinceramente se há quem consiga fugir a vida inteira, mas sei que podemos fugir o que quisermos, mas assim é impossível viver a vida em toda a plenitude do seu significado.

 

E ao olhar para a minha vida, tenho de reconhecer o lado bom da minha ansiedade. É ela que me faz ser excelente em tanta coisa que faço. Que me faz estar atenta ao pormenor. Que me faz estar um passo à frente e estar informada. É ela que me deveria trazer a tranquilidade e serenidade que devia ver no dia de amanhã, porque sei que estou preparada para o que vier. Sem a minha ansiedade não seria quem sou. Sem os meus medos, seria finalmente a melhor versão de mim mesma...

 

 

Amantes do pânico! Dicas para manter essa ansiedade controlada:

- Relaxamento ao acordar e ao deitar (existem várias técnicas de respiração, experimentem!)

- Exercício físico moderado

- Alimentação correcta (menos açúcar, menos sal, menos cafeína, álcool ou tabaco)

- Substituam um “tenho de fazer isto hoje”, por apetece-me fazer isto agora

- Tirar um tempo para vocês apenas

- Sentir as emoções e falar delas. Não queiram o saco a transbordar!

publicado por murimendes às 18:56

link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Vanessa Dias a 16 de Janeiro de 2013 às 13:12
Adorei o foco nas razões do sintoma, a ideia de ir às verdadeiras causas dos nossos medos :-) Não é um trabalho muito fácil mas acho que é possível... Vou tentando igualmente todos os dias combater a ansiedade/medo e nem sempre da melhor forma. Também faço muito isso, «manter-me ocupada» para fugir... Este mês prometi-me organizar e tentar «controlar» mais a vida, mas a meio do mês estou a chegar à conclusão de que isso me deixa bastante cansada e frustrada quando não consigo cumprir o que é devido cumprir, porque sem querer voltei a «fugir». Obrigada Muriel, é bom saber que há mais alguém a partilhar o mesmo tipo de desafios :-)
De murimendes a 17 de Janeiro de 2013 às 16:04
Concordo! Quando me ponho a tentar organizar e manter o plano e que começo a não atingir as metas, fico frustrada e desanimada... É tudo uma questão de tentar atingir o tal equilíbrio que ainda não percebi se alguém o alcançou mesmo :)
Antes nunca falava da minha ansiedade porque achava que eu não era normal e que mais ninguém sofria do mesmo, até que percebi que não é bem assim... E acho que para quem se sente isolado como um dia me senti, é sempre bom saber que não estão sós e que podemos todos partilhar as nossas experiências e crescer com elas :)

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Ainda acreditas na Magia?

. Estilo de Vida Positivo d...

. Porque não, ser a solução...

. A sobrevivência do mais a...

. Talvez não tenha de acaba...

. Maternidade ou Felicidade...

. Do sonho à realidade

. Obrigatório viver pela me...

. Ninguém me tira a minha l...

. Fazeres o que criticas no...

.arquivos

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds