Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2013

Parar é Viver

Gostava de ser invisível. Andar por aí, sem ser alvo de criticas, de julgamentos. Sem ser comparada a um qualquer padrão pré-concebido, que representa o correcto, o que tem de ser. Gostava de viver livre, como se tivesse a capa da invisibilidade do Harry Potter. Não para poder observar os outros sem que eles me vissem, mas sim para poder ser eu, sem que os outros me vissem.

 

Porque quando me imagino a colocar a minha capa, imagino-me a ser quem verdadeiramente sou. Posso ser eu, aquela pessoa cheia de vida e alegria. Cheia de sonhos e esperanças. A criança que por vezes quer sair, mandando tudo e todos à fava, dançando à chuva de braços abertos. Posso ser eu e parar. Parar para respirar. Parar para chorar. Parar para viver. Parar para rir. Parar porque posso.

 

Vivi grande parte da minha vida sempre a correr, não sei bem para onde ou porquê, mas a única certeza que ainda me restava, era que parar seria morrer. Corri tanto, que deixei de perceber do que é que fugia, mas sabia que não queria que ninguém me visse. Fingi aceitar, integrar-me e gostar. Fingi ser o que não era de tal forma que perdi algures quem era. E esperei, esperei em vão que alguém me fizesse parar. Alguém que me dissesse que podia abrandar, que não fazia mal, que não era menos por isso.

 

Contive o choro que insistia em querer escapar. Queria tanto ter aquela capa... E à falta dela, acabei por colocar uma mascara. Ninguém me disse que podia parar... Ninguém me disse que podia parar... Ninguém me disse que podia parar e só consigo sentir raiva. Só consigo sentir raiva. Estou tão zangada! Tão zangada por ninguém ter visto que deixei de ser eu. Zangada! Porque ninguém me disse que podia parar! E este ódio consome a minha alma. Esta raiva que aprisionei, tornou-me uma pessoa amarga, triste e desiludida. Porque é que ninguém me disse que estava tudo bem? Que não fazia mal parar um pouco?

 

E percebo hoje, que não podemos ficar à espera que alguém nos diga que podemos parar. Nós é que temos de saber quando o devemos fazer, mas acima de tudo, nós é que devemos aprender, que podemos parar. É permitido parar sim! É permitido parar para sermos quem somos, para sermos exactamente a pessoa que nascemos para ser. Era bom que alguém nos colocasse a mão no ombro e nos dissesse baixinho que está tudo bem, mas o que realmente não nos deixa parar, é a nossa própria voz. Sei que era mais fácil, se alguém nos dissesse constantemente o que queríamos ouvir, alguém que nos apoiasse na decisão e a validasse perante os nossos receios. Mas a vida não é assim. Ninguém vai parar, para nos dizer que podemos parar.

 

Por isso, digo-vos eu, aqui e agora. PODEM TODOS PARAR! Porque ontem, ontem parei 3 minutos no carro quando cheguei a casa. Estava a dar uma música que gostava no rádio e decidi parar para ouvi-la. Encostar a cabeça no banco, respirar e apreciar, ao mesmo tempo que a cantava alegremente à mistura com algumas lágrimas de alivio, por ter parado. Hoje parei, parei quando tropecei num balão do João, que estava no chão da sala. Tropecei nele e comecei a brincar, atirando ao ar, dando-lhe pontapés e brincando como se tivesse 5 anos de idade...

 

Por isso parem! Por favor, parem! Parem sempre que quiserem, sempre que precisarem. Vistam a capa da invisibilidade. Ignorem o mundo à vossa volta. Ignorem as vozes que se confundem entre a vossa própria voz e as do exterior, que repetem e insistem em querer criar um protótipo de humano sem alma, sem vida e sem alegria, a bem de uma sociedade silenciosa, despreocupada, aparentemente tranquila e agonizantemente adormecida. Gritem, zanguem-se, sejam inconvenientes. Ajam. Façam. Preocupem-se. Ajudem. Mas por favor, vivam.

 

E parem! A vida não tem semáforos, stop’s ou policias sinaleiros. Melhor ainda. Somos livres de parar onde e quando quisermos. Somos livres de escolher porque é que queremos parar. Quando quiserem, cubram-se com a capa da invisibilidade, mas tirem as mascaras. Sintam apenas a liberdade de parar. Parar para respirar. Apreciem apenas a liberdade de viver. Viver inspirados. Não receiem nunca, ser a pessoa que nasceram para ser.

Já agora, estava a dar isto no rádio ;)
http://www.youtube.com/watch?v=ekzHIouo8Q4
publicado por murimendes às 14:22

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Ainda acreditas na Magia?

. Estilo de Vida Positivo d...

. Porque não, ser a solução...

. A sobrevivência do mais a...

. Talvez não tenha de acaba...

. Maternidade ou Felicidade...

. Do sonho à realidade

. Obrigatório viver pela me...

. Ninguém me tira a minha l...

. Fazeres o que criticas no...

.arquivos

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds